Tudo o que você precisa saber para lidar com suas finanças no momento atual

Com todas as consequências deste momento, queremos saber, como estão as suas finanças no momento atual?
Há muita gente falando em crise, desemprego, sem recursos financeiros… E, por isso, o Victor Cosme junto ao Christian Coelho e o Reinaldo Domingos fizeram um webinar, no dia 16/Abril, sobre ações para serem colocadas em prática nesse momento e, assim levar tranquilidade à sua família.

 

O que é preciso para sobreviver, com ou sem entrada de dinheiro?

 

É preciso analisar a sustentabilidade da família. Fazendo diagnóstico financeiro, estabelecendo cada centavo de dinheiro, saber para onde ele está indo. É um ótimo momento para colocar no papel. Se não souber para onde está indo esse recurso, inclusive de reserva, é muito provável que exagere, gaste mais, ou gaste muito pouco e fique pão duro, também não é isso. É necessário o equilíbrio. Se a sua vida, hoje, com reserva, estiver em até 6 meses, é sinal que você tem um problema para resolver. Se você tiver acima de 6 meses, ou seja, um ano, dois anos, essa reserva é imprescindível para definir as ações, quais atitudes tomar.

Outro fator relevante é a entrada do recurso financeiro. Pensar “quanto eu tenho hoje de entrada?” “Quanto eu tinha antes?” “Qual a entrada de dinheiro, daqui para frente?” É preciso colocar ações impostas. A entrada de dinheiro + a reserva que tem é que vai determinar o que você deve fazer daqui para frente e, assim, ir evoluindo.

 

E se não tiver reserva, o que fazer?

 

Operação de guerra. “O que eu comia até ontem? Terei que rever como eu como.”, afirma Reinaldo Domingos, Presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (ABEFIN) . Colocar prioridades na vida, o que reflete nos gastos. As prioridades do der humano para a sua sobrevivência é a saúde, a educação e a alimentação.

Na operação de guerra, é preciso reduzir gastos significativos, quando se refere aos luxos e excessos. Segundo Reinaldo, há hoje, em média, 40% de excesso em tudo o que consumimos, em especial, na alimentação – “quando estamos dentro de casa, é comum que comemos mais que o de costume”. Existe a preocupação de obesidade, pois em isolamento e, com as academias fechadas, as pessoas comem mais que o necessário e param as atividades físicas. Neste momento, precisa olhar para o seu custo e, principalmente, para os seus gastos principais. Olhando para o supermercado, lá você tem uma grande ação. Hoje, no orçamento financeiro das famílias, o supermercado é o item mais caro que existe. Na alimentação entra tudo o que comemos, tudo o que as famílias consomem, como a padaria e o supermercado.Trocar marcas é prioridade zero, assim como buscar as gôndolas das promoções, mesmo que o prazo de validade seja curto, o que não será um problema, pois o alimento é para consumo imediato. São escolhas necessárias. Operação de guerra é reduzir 50%, 60% o seu padrão e custo de vida.

Isso é possível desde o momento que você reúna a família “agora chegou a hora da educação financeira chegar em nossa família”. É preciso fazer com que esse dinheiro apareça junto a sua vida, se não cuidar disso, você terá um grande problema de falta de dinheiro.

 

Como reduzir custos?

 

Victor Cosme, Diretor da QI Solution, te convida a fazer um teste: pega aquilo que você ganhou nos últimos 24 meses. Você sabe qual é a sua renda, então tente escrever no que você gastou, você vai saber aonde esse dinheiro foi parar? Esse dinheiro foi para algum lugar que você pode nem saber e esse é o momento de você se sensibilizar com isso. A renda extra de 6 meses é uma situação que a gente deve perseguir, mas talvez não tenhamos chegado nisso ainda. Victor então, descontrai, “quando vier à vontade de comprar alguma coisa que não seja fundamental para a sua vida, senta e espera a vontade passar, não se preocupe ela passa”.

 

Existem algumas brechas que a legislação vem nos trazendo e a nós precisamos ficar muito atentos a isso, atentos em tudo o que a legislação, com as medidas provisórias, estão aparecendo e elas vão nos ajudar. Procure os gestores financeiros das instituições financeiras dos Bancos nos quais tem algum empréstimo ou financiamento. Tente uma renegociação, todos eles estão oferecendo isso com uma certa facilidade. A renegociação é você pegar as parcelas que vão vencer nesses dois meses (abril e maio) e elas serão jogadas para o final do contrato sem uma correção monetária e sem juros, terá, exclusivamente, o juros do próprio contrato, que é uma coisa muito saudável.

 

O que fazer quando já está comprando o básico e economizando?

 

A pior coisa que acontece quando estamos espremidos é o medo pois ele tira a nossa ação. Victor diz que nós temos duas formas de ação. “Nós precisamos fechar a torneira e também achar uma forma de fazer pingar alguma coisa aqui. E está cheio de oportunidade. Na internet, por exemplo, está cheio de negócios para serem feitos. É lógico que, se eu ficar aqui reclamando da vida eu não vou conseguir isso. E não precisa ir muito longe. As entregas todas estão sendo feitas por alguém e nós que temos um carro pode servir para ajudar.”

Há uma série de oportunidades que podem nos ajudar a aumentar a boca de entrada. Pense “o que nós, como família podemos oferecer?” ele continua, “sabe aquele bolo gostoso que a Tia faz? Então, podemos vender esse bolo gostoso.” Procurar formas criativas, isso também passa pelo nosso padrão de consumo e nós temos que mudar o nosso padrão de consumo para também privilegiar aqueles negócios menores. O Mundo tal como conhecíamos, que a gente acordava sem pensar e falava “vamos ao supermercado” acabou. Agora estamos vivendo um outro momento em que as nossas escolhas precisam ser diferentes e as nossas ações também precisam ser diferentes.

 

O primeiro passo dessa orientação foi fazer o diagnóstico, fazer uma fotografia da vida financeira. Agora vamos para o segundo passo.

 

Reinaldo afirma que a criança tem uma sensibilidade muito grande e que é necessário ter sensibilidade, as crianças vão ajudar vocês, pais.É preciso sentir as crianças essa é a bola da vez.

As escolas precisam usar a educação financeira. O caminho agora é ir de cabeça na educação financeira, porque há crianças que estão aprendendo já há alguns anos, embora a base nacional comum curricular obriga todas as escolas a partir deste ano de 2020. Há escolas que já estão em bases de adaptação. Nós queremos ajudar as empresas e as famílias. Quem salvará o mundo? Serão as nossas crianças, ele afirma.

 

Comprar doces caseiros, por exemplo, de uma vizinha é uma ação colaborativa. Como fazer cardápios semanais ajuda a reduzir custos. E essa é uma ótima dica, pois isolados em casa, é comum o ganho de peso, portanto é necessário ter uma dieta saudável. Para isso, há uma série de nutricionistas nas redes sociais fazendo lives, dando dicas, fazendo consultas online. Como também as academias que, hoje, estão fechadas fazendo aulas online, lives e dicas de treinos para impedir que o sedentarismo chegue nas famílias.

É importante procurar esses profissionais. Você pode se alimentar melhor,pode fazer exercícios físicos, melhorar a sua performance dentro da sua própria casa. O que precisamos é sair da cama, nós precisamos ter uma rotina, ter uma disciplina, saber o que queremos fazer. É hora de recompor o lar de verdade com a família, ela que vai salvar esse processo.

 

Usar as economias ou pegar empréstimo?

 

Infelizmente não podemos falar que é um ou outro. O empréstimo depende da taxa de juros que você vai conseguir. É preciso pegar as suas economias e preservá-las da melhor forma possível. Agora, por trás do empréstimo que o banco está oferecendo, segundo Victor, “o segundo melhor negócio do mundo é ter um banco mal administrado. Então o banco dificilmente em uma relação contigo, vai levar prejuízo, o prejuízo é sempre de quem paga, no caso, é você”. Embaixo de uma taxa nominal baixa, vem junto um seguro, por exemplo e esse dinheiro pode ficar muito caro. Neste caso, que Victor sugere é, “pega uma reserva de 50%, esse 50% é intocável, não mexa com ele. Tente captar o recurso mais barato que conseguir em bancos para passar esse tempo. Quando chegar no 50% é hora de pensar de novo e até aceite pagar um pouquinho mais, porque não sabemos até quando isso vai durar. Portanto, preserve 50% da sua reserva para você não correr nenhum risco”.

 

A caixa e o Banco do Brasil estão com taxas interessantes e tem alguns bancos eletrônicos que vale a pena comprar, esses bancos que não tem agência, que consegue fazer quase tudo online pode facilitar a sua vida.

 

Segundo Reinaldo Domingos, 95% dos brasileiros não tem reserva, essa caixa d’água financeira está vazia. São pessoas que vivem no máximo um mês com o salário seguinte, temos visto isso em todo o Brasil. Ele afirma, “nós brasileiros temos problemas seríssimos de sustentabilidade. Em 2019, existia 64 milhões de inadimplentes e temos 95 milhões de pessoas endividadas, quem tem cartão de crédito e compra no carnê são endividados. Ou seja, todos nós somos endividados, o fato de ter dívida não significa que você não possa usá-las a seu favor.

No momento de pandemia, onde a reserva fecha-se, praticamente não existe, a entrada de dinheiro é pouca ou nenhuma e nós temos problemas com os autônomos e com as microempresas, as quais representam mais de 50% de empregabilidade no Brasil, então as empresas estão demitindo. Nós precisamos usar daquele bom senso, o que é prioridade?

A saúde a educação e a alimentação? Sim. E também temos coisas para poder prorrogar. O governo já prorrogou para outubro, a parcela do MEI (Micro Empreendedor Individual). Então, onde tomar a decisão? Na fonte financeira. Não pague cartão de crédito, os bancos terão que prorrogar, como alguns bancos digitais que já prorrogaram para 60 dias, sem juros.

Então, está na hora de olharmos para dentro de tudo o que gastamos, porque temos muitos gastos. Por exemplo, o financiamento da casa própria, já estão prorrogados. O BNDS, vai prorrogar 5 meses, é só uma questão de você entrar com processo.

Nós temos que olhar para a nossa vida e ver o quanto de recurso nós vamos precisar para passar seis meses a um ano. Um ano seria o ideal, porque nós estamos de quarentena, paralisação. Segundo Reinaldo, o Brasil foi ressecado, deu um apagão. Então nós precisamos saber o que vamos fazer, as prioridades vamos garantir mas o restante, vamos jogar para frente.

Nós precisamos tirar um grande aprendizado deste momento, o mundo não será igual e nós não podemos ser iguais quando sair desta crise. Nós precisamos construir uma reserva.

Repaginar a sua história em cima de 50% de tudo que você gasta. Por isso é fundamental fazer as escolhas conscientes.

O segundo passo que é o sonho, o propósito de vida, o que vai fazer que você imobilize a família para você ter um orçamento financeiro de novo. Primeiro os sonhos, antes das despesas, ainda depois, as dívidas, e depois a reserva estratégica. Poupar não é guardar dinheiro em bolsa de valores, poupar é reduzir gastos todos os anos, diz Reginaldo.

 

Interprete esta crise como um aprendizado, não apenas financeiro, mas também como oportunidade de resgatar a família, se unir com quem convivemos, cuidar uns dos outros e proteger aqueles que já nos protegeram. Este momento nos faz rever a forma que estamos fazendo, mesmo estando junto a própria pandemia, está na hora de rever e voltar a fazer a economia girar, com pessoas que estão aptas, que não tem doenças. Proteger os nossos pais, os nossos avós.

 

Voltar