Educação

Coronavírus: fique por dentro e o deixe fora da sua escola

Vamos falar de um assunto muito presente nas rodas de conversa deste início de 2020. O que você sabe sobre o Coronavírus? A doutora Viviane Rawet, médica e professora da FMUSP, vai nos ajudar a entender como podemos livrá-lo das nossas escolas.

 

O que é um coronavírus?

Segundo Viviane Rawet, os coronavírus são uma grande família de vírus que podem causar doenças em animais ou humanos. Em humanos, sabe-se que vários coronavírus causam infecções respiratórias que variam do resfriado comum a doenças mais graves, como a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS). O coronavírus descoberto mais recentemente após o surto em Wuhan, na China, no final do ano passado, causa uma doença que se chama hoje COVID-19. O vírus que causa a COVID-19 e o que causa a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS) estão relacionados entre si geneticamente, mas são diferentes. A SARS é mortal, mas muito menos contagiosa que a COVID-19.

Quanto tempo dura o período de incubação do COVID-19?sh

O “período de incubação” significa o tempo entre a entrada do vírus no organismo e o início dos sintomas da doença. A maioria das estimativas do período de incubação do COVID-19 varia de 1 a 14 dias.

Quais são os sintomas do COVID-19?

Os sintomas mais comuns do COVID-19 são febre, cansaço e tosse seca. Alguns pacientes podem ter dores no corpo, congestão nasal, corrimento nasal, dor de garganta ou diarreia. Esses sintomas geralmente são leves e começam gradualmente. Algumas pessoas são infectadas, mas não desenvolvem sintomas e não se sentem mal. As pessoas idosas e as que têm problemas médicos subjacentes, como pressão alta, problemas cardíacos ou diabetes, têm maior probabilidade de desenvolver doenças graves. Cerca de 3,4% das pessoas com a doença falecem pelas dificuldades respiratórias.

Quem deve procurar atendimento médico?

Pessoas com febre, tosse e dificuldade em respirar devem procurar atendimento médico.

Como o vírus da COVID-19 se espalha?

As pessoas podem pegar o COVID-19 de outras pessoas que têm o vírus. A doença pode se espalhar de pessoa para pessoa através de pequenas gotículas do nariz ou da boca que se espalham quando a pessoa doente tosse ou exala. As pessoas que inalarem essas gotículas podem se infectar. Essas gotículas também pousam em objetos e superfícies ao redor da pessoa. Quando alguém toca nesses objetos ou superfícies, pode levar o vírus para os seus olhos, nariz ou boca.

O que as pessoas podem fazer para se proteger e impedir a propagação da doença?

As principais medidas são:

  • Lavar as mãos com água e sabão ou usar álcool acima de 70% nas mãos. Isso mata o vírus.
  • Mantenha pelo menos 1 metro de distância entre você e qualquer pessoa que esteja tossindo ou espirrando, que pulveriza pequenas gotas líquidas do nariz ou da boca, que podem conter vírus. Se você estiver muito próximo, poderá respirar as gotículas.
  • Evite tocar nos olhos, nariz e boca, porque as mãos tocam muitas superfícies e podem pegar vírus. A partir daí, o vírus pode entrar no seu corpo e deixá-lo doente.
  • Certifique-se de que você e as pessoas ao seu redor seguem uma boa higiene respiratória. Isso significa cobrir a boca e o nariz com o cotovelo ou o tecido dobrado quando tossir ou espirrar. Em seguida, descarte o tecido usado imediatamente.
  • Fique em casa se não se sentir bem. Se você tiver febre, tosse e dificuldade em respirar, procure atendimento médico.

Devo usar uma máscara para me proteger?

  • Pessoas sem sintomas respiratórios, como tosse, estão sendo desaconselhadas a usar máscara médica, para evitar o desperdício desnecessário e o uso indevido das máscaras. A OMS recomenda o uso de máscaras para pessoas com sintomas de COVID-19 (tosse ou espirro), e para aqueles que cuidam de indivíduos com sintomas, como tosse e febre (em casa ou em um estabelecimento de saúde).
  • O ideal é evitar ir a ambientes com grande circulação de pessoas desconhecidas, mas se for inevitável, por exemplo, palestras, metrô ou outros meios de transporte, é válido usar máscara para se proteger.
  • Lembre-se que as máscaras, com o tempo, ficam suadas e úmidas. Não há um tempo certo, cada um deve verificar a sua. Se estiver úmida, ela deixa de proteger contra o vírus e pode trazer mais malefício. Lembre-se também de manter as mãos sempre lavas, pois ao tocar a máscara, poderá contaminá-la por fora com o vírus.

 

NAS ESCOLAS

Que medidas podemos adotar?

O mais importante para as escolas fazerem agora é planejar e se preparar. À medida que o surto global evolui, as escolas devem se preparar para a possibilidade de alunos ou funcionários desenvolverem a doença.

  • As escolas devem ter ações preventivas de bom senso para estudantes e funcionários, com cartazes, pôsteres e material online, evidenciando estratégias de lavagem das mãos com água e sabão por pelo menos 20 segundos ou o uso de desinfetante para as mãos que contenha pelo menos 70% de álcool, se água e sabão não estiverem disponíveis.

As equipes de limpeza devem redobrar a limpeza de todo o material e equipamentos utilizados pelos estudantes e funcionários, utilizando álcool a 70% ou mais e lavando regularmente as superfícies tocadas com frequência (por exemplo, maçanetas, interruptores de luz e bancadas) com os produtos de limpeza normalmente usados. Use todos os produtos de limpeza de acordo com as instruções na etiqueta.

A escola deve fornecer toalhas descartáveis e álcool gel para que as superfícies mais usadas (por exemplo, teclados, mesas, controles remotos) possam ser limpas pelos alunos e funcionários antes de cada uso.

Estabeleça procedimentos para garantir que os alunos e funcionários que ficam doentes na escola ou que chegam doentes à escola sejam enviados para a casa o mais rápido possível, mantendo os alunos e funcionários doentes separados dos alunos e funcionários bons até que eles possam sair.

Para isso, cada escola deve ter uma sala isolada para o caso de um aluno ou funcionário chegar com sintomas de infecção respiratória, como tosse, febre, coriza e espirros frequentes. Nesse caso, a pessoa deve ser imediatamente conduzida de volta ao seu lar e orientada a fazer exames e permanecer em casa por 14 dias, voltando apenas após a alta médica.

Essa sala isolada na escola deve conter um banheiro e não pode ser a mesma utilizada como enfermaria, pois as pessoas que frequentam a enfermaria possuem problemas diferentes umas das outras.

Quais são as medidas de proteção para pessoas que tiveram contato ou visitaram recentemente (menos de 14 dias) áreas em que o COVID-19 está se espalhando?

As recomendações seguem a orientação das autoridades de saúde. Deve-se recomendar que o aluno que teve contato ou que voltou de países com alta incidência fique em casa se começar a se sentir mal, mesmo com sintomas leves, como dor de cabeça e corrimento nasal leve, até se recuperar. Se a pessoa desenvolver febre, tosse e dificuldade em respirar, deve procurar orientação médica imediatamente.

Existe tratamento específico para o COVID-19?

  • Até o momento não há medicamento antiviral específico para prevenir ou tratar o COVID-2019.
  • Os antibióticos não funcionam contra vírus, apenas em infecções bacterianas. Eles devem ser usados apenas como indicado por um médico para tratar uma infecção bacteriana secundária.
  • Vários centros médicos estão trabalhando a todo vapor para desenvolver alguma vacina, que pode levar no entanto, vários meses ou até mais de 1 ano para ficar pronta e ser testada. A boa notícia, é que a maioria dos pacientes se recupera graças aos cuidados de suporte. Embora haja um grupo de maior risco, que são as pessoas acima de 60 anos, ou com doenças pré-existentes, como diabetes, pressão alta, doença cardiovascular ou renal. Essas pessoas devem tomar cuidados redobrados com a prevenção.

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *